Biometria fetal: valores de referência da ultrassonografia na gravidez

Biometria fetal são medidas utilizadas pelos médicos na ultrassonografia para indicar o tamanho e a idade gestacional do feto.

Biometria fetal: avaliação do crescimento do bebê

Para a avaliação do crescimento fetal é indispensável o conhecimento da IG (idade gestacional), que pode ser verificada por algumas medidas. No primeiro trimestre da gravidez, esta verificação se dá através do comprimento cabeça-nádega (CCN) e no segundo e terceiro trimestres, por meio de basicamente três parâmetros fetais, sendo eles: diâmetro biparietal (DBP) e circunferência cefálica (CC), como identificador de crescimento da cabeça, e comprimento do fêmur (CF), como apontador de crescimento da estatura. A medida da circunferência abdominal é usada somente para avaliação de crescimento. O emprego de vários parâmetros é essencial, pois proporciona menor margem de erro.

Variações podem acontecer

Cada medida especificada exibe uma variação estimada normal, dependendo da idade gestacional do feto. Cada bebê tem suas próprias particularidades como, por exemplo, alguns bebês expõem uma circunferência craniana maior e um fêmur mais curto. Essas particularidades normalmente são semelhantes às dos pais.

Contudo, os parâmetros que se apresentam fora dos padrões da normalidade nem sempre são significativos, principalmente se a distinção entre a avaliação de medida efetivada e a média para a idade gestacional for ínfima. O feto precisará ser avaliado de maneira cuidadosa caso incida desvios expressivos da inconstante da normalidade.

Medidas a partir da DUM (data da última menstruação)

Medidas de datação são utilizadas para certificar a data da última menstruação (DUM) ou avaliar-se a idade gestacional de fetos quando ela é incerta. Geralmente, quanto mais precocemente essa medida for realizada, mais garantida ela será. Uma vez considerada a idade gestacional, as medidas subsequentes deverão ser empregadas para ponderar o crescimento fetal.

Peso do bebê

A determinação do peso do feto considerado através da ultrassonografia é um meio interessante de constatar o bem-estar do bebê e se certificar em relação a evolução de seu crescimento durante a gravidez. Essa determinação também é uma forma de diminuir a morbidade e mortalidade vinculadas ao retardo de crescimento intrauterino.

Influência materna no desenvolvimento do feto

A presença de doenças maternas ou fetais, também precisam ser conhecidas para que seja possível analisar sua provável influência no desenvolvimento do bebê. Particularidades fisiológicas maternas, também podem persuadir o ganho de peso fetal, especialmente, no último trimestre da gravidez. Existem também diversos determinantes não-patológicos do peso neonatal até o nascimento. Dentre estes fatores determinantes, o mais importante deles é o potencial intrínseco de desenvolvimento individual do bebê.

Comprimento Cabeça-Nádega:

  • Faz-se um corte sagital mediano com o embrião/feto em repouso;
  • O eixo do comprimento Cabeça-Nádega precisa estar perpendicular ao feixe sonoro;
  • Conseguir o comprimento máximo em linha reta;
  • Empregar a melhor de 3 medidas;
  • Variabilidade estimativa IG: ± 8% (2 DP).

Biometria Fetal: Valores de Referência para Determinação da Idade Gestacional por meio da Medida do Comprimento Cabeça-Nádegas (CCN)

 

Ultrassom

Circunferência Cefálica:

  • Calculada a partir das medidas do DBP (diâmetro biparietal) e diâmetro occipital-frontal (DOF);
  • Efetivar corte transversal do crânio, o qual precisará apresentar: cavum septum pellucidum, tálamos e terceiro ventrículo, ventrículos laterais;
  • Linha média perpendicular ao feixe sonoro, obstruída a 1/3 do seu comprimento pelo cavum septum pellucidum;
  • Os perímetros da calota craniana e ventrículos laterais necessitam estar centrados e simétricos concernente à linha média;
  • Plexo coróide aparente no corno posterior do ventrículo lateral;
  • DOF (diâmetro occipital-frontal): perímetros externos da calota craniana (borda óssea externa) nas regiões frontal e occipital, seguindo a linha média;
  • DBP (diâmetro biparietal): maior extensão entre os perímetros externos dos ossos parietais a 90 ° referente ao DOF.

Biometria Fetal: Valores de Referência – Circunferência Cefálica 

Biometria fetal

Circunferência Abdominal:

  • Calculada a partir das medidas dos diâmetros abdominais ântero-posterior (DAAP) e transverso (DAT);
  • Concretizar corte transversal do abdômen, que precisará apresentar: estômago, seio venoso (menor distância possível da veia umbilical), coluna, aorta descendente; Costelas simétricas; Forma circular;
  • DAAP (diâmetros abdominais ântero-posterior): limites externos (“pele a pele”) do abdome nas regiões posterior (coluna) e anterior;
  • DAT (diâmetros abdominais transverso): maior extensão entre os perímetros externos (“pele a pele”) das regiões laterais do abdome, perpendicular em relação ao DAAP (diâmetros abdominais ântero-posterior).

Biometria Fetal: Valores de Referência – Circunferência Cefálica 

Ultrassom

Comprimento Femural:

  • Corte longitudinal, apresentando: diáfise femural (calcificada), cabeça e côndilo do fêmur (cartilagem);
  • Incidir feixe sonoro a 90º;
  • Cálculo da porção calcificada da diáfise femural;
  • Calibrador de medida nas conexões da cartilagem com a porção calcificada.

Biometria Fetal: Valores de Referência – Comprimento Femural

Referências Bibliográficas:

  • Chitty LS, Altman DG. Charts of fetal size: limb bones. BJOG 2002; 109:919-29.
  • Hadlock FP, Shah YP, Kanon DJ, Lindsey JV. Fetal crown-rump length: Reevaluation of relation to menstrual age (5-18 weeks) with high resolution real-time US. Radiology 1992;182:501-5.
  • Nery, Luiz; Moron, Antonio Fernandes; Kulay Junior, Luiz. Avaliação Ultra-Sonográfica do Crescimento Fetal com uso do Diâmetro Transverso do Cerebelo. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2000; v. 22, n. 5, p. 281-286.
  • Cecatti, José Guilherme et al . Curva dos valores normais de peso fetal estimado por ultra-sonografia segundo a idade gestacional. Cad. Saúde Pública, 2000; v. 16, n. 4, p. 1083-1090.
  • Loughna P, Chitty L, Evans T, Chudleigh T. Fetal size and dating: charts recommended for clinical obstetric practice. Ultrasound 2009; 17: 161–167.

♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡ ℓεiค τคмвεм ♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡♡

Faça seu comentário!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios devem ser marcados *

Comment *