O colostro é a primeira vacina do bebê

A função do colostro sempre foi proteger. Ele é mais denso que o leite maduro, mais viscoso, quase um gel, devido a maior quantidade de proteínas, e amarelado, devido à grande quantidade de betacaroteno. Tem efeito laxativo, favorecendo a eliminação de mecônio e é produzido em quantidades pequenas, cerca de 15 mL nas primeiras 24 horas pós parto. Chama-se colostro a secreção láctea das mamas da nutriz que ocorre antes do parto e nos primeiros dias pós-parto.

O colostro é insuficiente?

Apesar de o colostro parecer insuficiente aos olhos da mamãe para satisfazer as necessidades nutricionais do bebê, isto não é verdade. O colostro é fundamental na alimentação do bebê, pois é constituído por vários fatores de proteção que beneficiam o pequeno, além de ter a capacidade de nutrir a criança até o momento em que irá se modificar e transformar em secreção láctea branca. Este acontecimento é denominado como apojadura e que pode acontecer até o 10º dia pós-parto.

Produção de colostro

A quantidade secretada de colostro pode modificar em cada mamada, não existe um padrão específico. Porém, é importante ressaltar que mamães que já passaram pelo processo de aleitamento materno anteriormente possuem uma maior facilidade em produzi-lo, e desta forma a produção pode ser maior. Cada mamãe é diferente da outra, e assim também acontece com a produção do colostro. Cada mãe produz um tipo de colostro, e essa produção é interligada as necessidades de cada bebê. Essa produção irá depender de três fatores: idade gestacional (se o bebê é prematuro ou não), o peso ou doenças.

No leite materno se encontram diversos fatores de proteção com ação anti-infecciosa como: enzimas, citocinas, componentes do sistema complemento, oligossacarídeos (açúcares), nucleotídeos (são compostos que carregam muita energia e que auxiliam nos processos metabólicos), peptídeos (aminoácidos), lipídeos (gordura) e hormônios que interagem entre si e com as mucosas dos tratos digestivo e respiratório do recém-nascido; conferindo, além de imunidade, estímulo ao desenvolvimento e maturação do sistema imunológico do bebê.

Fatores antimicrobianos

Os fatores antimicrobianos presentes no colostro e no leite materno apresentam algumas características comuns, como resistência a degradação pelas enzimas digestivas, proteção às superfícies mucosas e eliminação de bactérias sem, no entanto, iniciar reações inflamatórias. Podem ser classificados de acordo com a sua função, seu mecanismo de função, seu mecanismo de ação, ou sua natureza química e estão presentes no leite materno em quantidades variáveis de acordo com as diferentes fases de lactação.

Enzimas presentes no colostro

Entre as principais enzimas presentes no colostro estão a lisozima e a lactoferrina. A lisozima é capaz de degradar a parede externa de bactérias Gram-positivas. Também apresenta capacidade de matar bactérias Gram-negativas. A lactoferrina corresponde a 26% do conteúdo proteico do leite materno e apresenta uma função  que detêm o crescimento de determinadas bactérias, dificultando sua proliferação (bacteriostática).

Vantagens do colostro para o bebê

  • A primeira e a melhor vacina que se conhece.
  • Tem um aspecto cremoso e por isso é de fácil digestão.
  • Tem uma função protetora do tubo digestivo do bebê.
  • Tem um efeito laxante que vai ajudar o bebê a expulsar o mecônio e a limpar o tubo digestivo.
  • Reduz o risco de icterícia no bebê (doença caracterizada pela pele amarelada).
  • Reduz o risco de síndrome de morte súbita.

Colostro

Créditos da foto: @monetnicolebirths

Referência Bibliográfica:
  • REGO, José Dias. Aleitamento Materno – “Fatores Bioativos do Leite Humano”. 3ª edição. São Paulo. Editora Atheneu, 2015. 

Faça seu comentário!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios devem ser marcados *

Comment *