Leite empedrado: como continuar o aleitamento e aliviar o desconforto?

Na primeira semana depois do parto, pode ser que você sinta as mamas ingurgitadas, ou seja, os seus seios inchados, sensíveis, latejando, com a sensação de leite empedrado, ou cheios demais. Às vezes o inchaço chega até as axilas, e você pode ter febre.

Febre: como aferir a temperatura?

Lembre-se de que a temperatura deve ser confirmada com o termômetro na boca, embaixo da língua, porque a área da axila pode estar quente demais devido à inflamação local dos seios, e não à febre.  Você só precisa se preocupar com uma eventual mastite, uma infecção nos seios, se sua temperatura estiver acima dos 38,5 graus Celsius.

Ingurgitamento areolar ou periférico

O ingurgitamento pode ficar restrito à aréola (areolar) ou ao corpo da mama (periférico) ou pode acometer ambos. Quando há ingurgitamento areolar, a criança pode ter dificuldade na pega, impedindo o esvaziamento adequado da mama, o que piora o ingurgitamento e a dor.

Outras características que também estão presentes na mama ingurgitada (leite empedrado) é quando estão muito cheias de leite, parecem inchadas, ficam quentes, doloridas e, às vezes, até um pouco vermelhas. Normalmente, isso pode acontecer nos primeiros dias (do 3º ao 5º dia) por um dos seguintes motivos: início tardio da amamentação, mamadas infrequentes, restrição da duração e frequência das mamadas, uso de suplementos e sucção ineficaz do bebê.

Resultado: além de muito desconforto para a mãe, a aréola pode também ficar mais tensa e inchada, o que dificulta a pega do bebê. E a pega inadequada pode levar às fissuras e rachaduras, como vimos anteriormente. É importante saber disso para evitar desconforto e problemas futuros.

Dicas para as mamas ingurgitadas (leite empedrado):

  • Antes de amamentar, retire um pouco do leite. Isso pode ser feito com a ordenha manual ou com uma máquina apropriada. Retire o suficiente para deixar a aréola menos tensa e mais macia, o que certamente facilita a pega e a sucção do bebê.
  • Sempre que possível, aumente a frequência das mamadas para esvaziar os seios. Claro que isso depende da rotina do bebê. Não o acorde fora de hora para mamar.
  • Se você sentir pontos doloridos ou mais vermelhos, faça uma massagem com movimentos circulares (inicie da aréola para o fim da mama), idealmente, durante a ordenha do leite. Isso é muito importante para desobstruir ductos e evitar mastite. Massageie bem, até ter a sensação de melhora.
  • Usar compressas mornas para ajudar na liberação do leite. Antes de ordenhar o “leite retido” tome um banho morninho (deixando a água morna cair sobre os seios) e comece a ordenha nesse momento, ou faça a aplicação de compressas mornas e logo em seguida ordenhe. O esvaziamento da mama nesse instante é o mais importante!
  • Usar compressas frias após ou nos intervalos das mamadas para diminuir o edema, a vascularização e a dor.

É importante ressaltar que antes de realizar quaisquer dessas medidas é preciso pensar por qual motivo o leite materno está sobrando e provocando o empedramento. Será que o bebê está com a pega errada e sem conseguir esvaziar a mama toda? As mamadas estão sendo cronometradas no relógio? Essas reflexões são importantíssimas!

O que fazer para prevenir o ingurgitamento mamário?

  • Iniciar a amamentação o mais cedo possível;
  • Amamentar em livre demanda;
  • Amamentar com técnica correta;
  • Evitar o suso de suplementos.

Sugestão de vídeo:

 

Referência Bibliográfica: 
  • GARBULHO, Ana Paula. Apostila “Consultoria em Aleitamento Materno”. Problemas comuns na lactação e seu manejo. Ano: 2017, São Paulo. 
  • VÍDEO: Canal no Youtube – Sou Mãe. Autora: Rosane Baldissera, Nutricionista e Consultora Internacional em Amamentação. 

Faça seu comentário!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios devem ser marcados *

Comment *