Vacina febre tifoide: a melhor prevenção é a vacinação

A vacina febre tifoide é uma vacina inativada, desta maneira, não há possibilidade de originar a doença. É integrada por polissacarídeos da cápsula da bactéria (Salmonella typhi), fenol, cloreto de sódio, fosfato dissódico diidratado, fosfato monossódico diidratado e água para injeção.

Doença

A febre tifoide é uma patologia originada pela bactéria Salmonella enterica typhi, transmitida ao homem por meio de água e alimentos infectados (é diferente da maioria das demais espécies de salmonela por apenas contaminar seres humanos e com uma frequência maior provocar doenças sistêmicas graves, ou seja, bacteremia persistente com envolvimento de múltiplos órgãos), além de contato direto com fluídos de indivíduos infectados. Pode levar ao óbito. O problema prejudica diretamente o intestino, possibilitando manifestar sintomas como vômito, inchaço abdominal e diarreia.

Não é comum em áreas integralmente industrializadas, hoje, a febre tifoide é endêmica em algumas localidades do mundo, já que está totalmente vinculada à circunstâncias precárias de saneamento básico. Contudo, o risco de se infectar não necessariamente expande em períodos de inundação.

Tratamento

O tratamento é realizado especialmente com a ingestão de antibióticos e líquidos em abundância, devido às crises de vômito e diarreia.

Complicações

Entre as complicações que podem acontecer, quando o indivíduo não é tratado estão: perfuração do intestino e sangramento, septicemia, disfunções neuropsicológicas e morte. Para estar protegido contra a febre tifoide é imprescindível estar imunizado por meio da vacina contra a mesma e tomar medidas básicas de higiene.

Indicação da vacina febre tifoide

  • Devem se imunizadas crianças a partir de 2 anos de idade, adolescentes e adultos que viajam para regiões de risco, em situações de longa permanência e depois averiguação médica criteriosa.
  • Profissionais que estão em contato com águas contaminadas e dejetos.

Contraindicação da vacina febre tifoide

Hipersensibilidade a qualquer um dos elementos da vacina.

Esquema de doses da vacina febre tifoide

Uma dose. A vacina previne por três anos, de maneira que a revacinação pode ser orientada depois deste intervalo, se o risco de adoecimento insistir ou voltar.

Via de aplicação 

Intramuscular ou subcutânea.

Cuidados antes, durante e após a vacinação

  • Não são mandatórios cuidados específicos antes da administração da vacina;
  • Em caso de febre, deve-se aprazar a vacinação até que aconteça a melhora;
  • Em indivíduos com doenças que acrescem o risco de sangramento, a aplicação intramuscular pode ser trocada pela subcutânea;
  • Compressas frias suavizam a reação no local da aplicação;
  • Qualquer sintoma grave e/ou inesperado depois da administração da vacina precisa ser notificado ao serviço que a efetivou;
  • Sintomas de eventos adversos graves ou duráveis, que se delongam por mais de 24 a 72 horas, precisam ser analisados para averiguação de outras causas.

Efeitos e eventos adversos:

A vacina febre tifoide provoca manifestações restritas, sendo as mais frequentes vinculadas com o local de administração da vacina: dor, em 3,6% a 9,4% dos vacinados; rubor, em 2,4% a 5,4%; edema, em 1,7% a 1,8%. Outras manifestações que podem ocorrer: febre, em 1,5% a 16,2%; cefaleia, em 10% a 7,8%; mal-estar, em 0,9% a 4%; náuseas, em 2,1% a 5%; e prurido, em 1,7% a 1,8%.

Referência Bibliográfica: Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIM)

Faça seu comentário!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios devem ser marcados *

Comment *