Vacinas penta e hexa da rede privada combinadas à DTPa

As vacinas penta e hexa imunizam contra doenças iguais, com distinção de apenas uma vacina, a hepatite B. A vacina pentavalente acelular previne contra difteria, tétano, coqueluche, meningite originada pela bactéria Haemophilus influenzae tipo b e poliomielite. Já a vacina hexavalente acelular além de prevenir contra todas essas doenças também protege contra a hepatite B.

Vacina quíntupla acelular (também denominada “penta’) — integra a tríplice bacteriana acelular (DTPa), a poliomielite inativada (VIP) e a Haemophilus influenzae tipo b (Hib): DTPa-VIP/Hib.

Vacina sêxtupla acelular (também denominada “hexa”) — integra a tríplice bacteriana acelular (DTPa), a poliomielite inativada (VIP), a hepatite B (HB) e a Haemophilus influenzae tipo b (HIb): DTPa-VIP-HB/HIb.

Essas vacinas são inativadas, assim, não há possibilidade de originar a doença.

DTPa-VIP/Hib: Além de ser composta por elementos da vacina tríplice bacteriana acelular (DTPa), inclui elementos da bactéria Haemophilus influenzae tipo b conjugado e vírus inativados (mortos) da poliomielite tipos 1, 2 e 3. A integração inclui também: lactose, cloreto de sódio, 2-fenoxietanol, hidróxido de alumínio e água para injeção. Pode existir traços de antibiótico (estreptomicina, neomicina e polimixina B), formaldeído e soroalbumina de origem bovina.

DTPa-VIP-HB/HIb: Além de ser composta por elementos da vacina tríplice bacteriana acelular (DTPa), inclui elementos da bactéria Haemophilus influenzae tipo b conjugado, vírus inativados (mortos) da poliomielite tipos 1, 2 e 3 e componente da superfície do vírus da hepatite B. A integração inclui também: lactose, cloreto de sódio, 2-fenoxietanol, hidróxido de alumínio e água para injeção. Pode existir traços de antibiótico (estreptomicina, neomicina e polimixina B), formaldeído e soroalbumina de origem bovina.

Indicação das vacinas penta e hexa

Essas vacinas são indicadas para crianças a partir de 2 meses de idade e podem ser administradas até os 7 anos de idade, sempre que seja orientada cada uma das respectivas vacinas inclusas nessas combinações.

Contraindicações das vacinas penta e hexa 

  • Crianças com idade superior a 7 anos.
  • Crianças que manifestaram encefalopatia durante os sete dias à aplicação anterior de vacina incluindo elemento pertussis.
  • Anafilaxia a qualquer elemento da vacina.

Esquema de doses das vacinas penta e hexa

Para a administração da vacina rotineira de crianças (aos 2, 4, 6 meses e entre 12 e 18 meses), optar pela utilização da vacina quíntupla (penta) ou sêxtupla (hexa). Para efetivar o reforço entre 4 e 5 anos de idade, orienta-se o uso de DTPa ou dTpa-VIP.

Via de aplicação

Intramuscular.

Cuidados antes, durante e após a vacinação

  • Não são mandatórios cuidados específicos antes da administração da vacina;
  • Em caso de febre, deve-se aprazar a vacinação até que aconteça a melhora;
  • Em indivíduos com doenças que acrescem o risco de sangramento, a aplicação intramuscular pode ser trocada pela subcutânea;
  • Compressas frias suavizam a reação no local da aplicação;
  • Qualquer sintoma grave e/ou inesperado depois da administração da vacina precisa ser notificado ao serviço que a efetivou;
  • Sintomas de eventos adversos graves ou duráveis, que se delongam por mais de 24 a 72 horas, precisam ser analisados para averiguação de outras causas.

Efeitos e eventos adversos das vacinas penta e hexa

  • Os eventos adversos e a frequência com que acontecem são parecidos nas duas vacinas e estão vinculados especialmente ao elemento pertussis. Estudo comparativo constatou que as manifestações a estas vacinas foram significativamente menores quando comparadas com a vacina combinada contra pertussis de células inteiras (DTPw).
  • Até 21% das crianças imunizadas têm reações no local onde a vacina foi administrada (rubor, dor, edema); até 22% podem apresentar febre superior que 38ºC; e 1,9% a partir de 40ºC. Um por cento aproximadamente pode ter falta de apetite, vômito, irritabilidade, choro prolongado e sono excessivo. De 0,01% a 1% pode manifestar convulsão febril e episódio hipotônico-hiporresponsivo (EHH); menos de 0,01%, problemas neurológicos (inflamação no cérebro, alterações de movimento), edema transitório nos membros inferiores com hematoma ou pequenos sangramentos transitórios, e anafilaxia. Os efeitos adversos são mais frequentes nas doses de reforço.
Referência Bibliográfica: Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIM)

Faça seu comentário!

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios devem ser marcados *

Comment *